Personagens

adelirio
Adelirio

Entenda como o arroz do Paraguai chega em MG

carlos
Carlos

Siga o caminho do milho pela Transamazônica

ivo_outro
Ivo

Veja como as cebolas da Ceagesp chegam até lá

jairo
Jairo

Siga o trajeto das frutas pelo Sul do Brasil

bonfim-e-manuel_outro
Manoel e Bonfim

Veja o transporte de gado por Mato Grosso

Compartilhe

Governo coloca Exército para asfaltar ‘rodovia dos atoleiros’ no Pará

Depois de uma trégua de dois dias, as chuvas intensas de sábado (4) e domingo (5) na região cortada pela rodovia BR-163 (foto), no município de Trairão, provocaram novo atoleiro no trecho onde o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT) mantém homens e máquinas trabalhando na pista, que ficou intrafegável por quase 20 dias. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ DATA: 06.03.2017 TRAIRÃO - PARÁ

Foto: Mácio Ferreira/ Ag. Pará

Do Estadão Conteúdo

Para evitar a repetição dos atoleiros que atrapalharam o escoamento da produção de grãos de Mato Grosso para os portos do Norte do país, o governo decidiu colocar o Exército para asfaltar um trecho da BR-163 no Pará. A promessa é concluir a pavimentação do trecho até Miritituba, em cujo distrito chamado Itaituba há terminais graneleiros que utilizam o transporte fluvial, até o fim do ano que vem.

Já neste ano não haverá a repetição dos atoleiros, garantiu o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella Lessa. As obras de pavimentação já avançaram e, nos trechos que ainda não estarão asfaltados no próximo verão, haverá uma cobertura provisória de cascalho. Além disso, a presença do Exército ajudará a garantir a trafegabilidade do trecho.

As tropas trabalharão num trecho de 65 km entre Novo Progresso e Igarapé do Lauro para o qual já estava contratada uma construtora. Essa, porém, informou que não conseguiria executar a obra.

Segundo Quintella, seria muito demorado fazer uma nova licitação para contratar outra empresa para continuar o serviço. Por isso, ele levou ao presidente Michel Temer a proposta de colocar o Exército para trabalhar no trecho.

Num exemplo sobre como multiplicar dividendos políticos com poucos recursos orçamentários, foi assinado nesta quinta pela manhã um termo de transferência de recursos de R$ 128,5 milhões para o Exército. A cerimônia contou com a presença de três ministros. Além de Quintella, participaram o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, e o da Integração Nacional, Hélder Barbalho. O evento, originalmente marcado para a tarde de quarta, dia 16, foi transferido para esta quinta, dia 17, para que os parlamentares do Pará pudessem participar.

Empolgado, o senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) defendeu que o governo se empenhe em concluir a pavimentação de toda a rodovia até Santarém. “Ficaria para a história”, comentou. Ele disse que apresentou essa sugestão a Temer. O deputado Beto Salame (PP-PA) aproveitou para pedir a duplicação da BR-230 nas proximidades de Marabá e disse que, se fosse o caso, apresentaria emenda ao orçamento de 2018 com esse fim.

O asfaltamento da BR-163 no Pará é uma batalha de 50 anos, disse Blairo Maggi. Ele contou que, em 1999, participou de um “caminhonaço”, no qual os produtores de Mato Grosso colocaram tratores em cima de caminhões e partiram pela rodovia, abrindo caminho e construindo pinguelas para chegar a Miritituba. Ele frisou que a renda dos produtores depende do acesso aos portos do chamado Arco Norte, no qual a BR-163 tem papel fundamental.

Na última safra, segundo Quintella, o volume de exportações de produtos do complexo soja pelos portos do Sul e Sudeste avançou 4,1%, enquanto nos do Arco Norte cresceram 34,6%. A pavimentação da BR-163 no Pará, disse ele, tem recursos garantidos, que não podem ser contingenciados (bloqueados) pela área econômica. “É uma obra prioritária”, afirmou.

Episódios